Hoje, roda de samba no CCBP, com a Ala dos Compositores do Kolombolo

Compartilhar:

Nesse sábado, no Centro Cultural Benjamin Perét (CCBP), a partir das 16 horas até o fim da noite, a Ala dos Compositores do cordão carnavalesco Koloombolo Diá Piratininga vai comandar uma roda de samba. É só chegar na rua Serranos 90, perto do metrô Saúde, e aproveitar a boa música.

Rascunho automático 67

Entre sambas da velha guarda dos compositores paulistas, a Ala apresenta as composições próprias como a do recém falecido Antônio Carlos: “Pegue a mala e saia logo, não que eu queira te apressar, o cuco esta dando a hora, o bonde já vai passar…”

“O Bonde vai passar”, composição de Antonio Carlos, o querido Tonhão. Esta e outras pérolas do samba paulista serão cantadas na roda de samba da Ala dos Compositores do Kolombolo Diá Piratininga que acontecerá hoje, no CCBP, sem hora para acabar.

Tonhão foi integrante do Kolombolo por 10 anos e da Ala dos Compositores por nove anos. Fortaleceu a Ala com suas composições dolentes de sensibilidade impar nos 287 encontros na Paulicéia. Faleceu em julho deste ano e hoje tem seu nome homenageado na sala Antonio Carlos, onde acontecem os encontros.

Na roda de samba, interpretarão suas obras, obras de outros integrantes como Aninha Batucada, Mario Leite, Renato Dias, Pedro Neto, Sidney Teixeira e de muitos outros bambas como Geraldo Filme, Toniquinho Batuqueiro, Tio Mário, Ideval Anselmo, Adoniran Barbosa, Paulo Vanzolini entre tantos outros.

Venha conhecer a história do samba paulista e fazer parte dessa roda, símbolo de ancestralidade e resistência.

Confirme sua presença e convide os amigos no evento no Facebook:

https://www.facebook.com/events/482317532125301/?active_tab=discussion

A roda terá inicio às 16 horas e o dinheiro arrecadado com o couvert será completamente destinado à própria Ala que no momento realiza uma campanha para arrecadar fundos para a compra de seu figurino.

“Adorei as almas, rezei pra vovó Cambinda, afastar todas as mazelas e fechar todas as feridas…”. “Na Gira da Cambinda” Renato Dias e Victor 7.

artigo Anterior

Índios reivindicam suas terras

Próximo artigo

Charge por Bira Dantas

Leia mais

Deixe uma resposta