PSTU e a esquerda chave de cadeia

Compartilhar:

O Partido Socialista dos Trabalhadores unificados (PSTU) lançou texto em seu site sobre a questão da prostituição no qual exigia ampliar a repressão para diminuir tal prática. O texto que tem o pretensioso título Um olhar marxista sobre a prostituição é mais um dos lamentáveis exemplos do moralismo pequeno-burguês de agrupamento de esquerda, moralismo que sempre busca no aumento da força do Estado uma solução.

Rascunho automático 67

A questão do racismo e do feminismo também recebem o mesmo tratamento por este grupo, que objetivando melhorar a vida dos oprimidos dá poder para o Estado censurar indiscriminadamente. Da mesma forma, a empatia do PSTU pela sofrível vida das mulheres que necessitam ir para a exploração sexual para sobreviver só vai levar a vida destas mesmas para uma marginalização ainda maior. Assim, buscando idealmente acabar com a prostituição, o PSTU propõe o encarceramento.

A prostituição é uma das atividades mais antigas da humanidade, sendo proibida em quase todas as localidades do mundo. Isso não impede da vida das prostitutas ser muito degradante. Da mesma forma, a cocaína é ilegal no país, mas seu consumo é feito até mesmo no Congresso Nacional.

Um partido que se pretende marxista, como é o caso do PSTU, jamais deve observar o Estado como um agente neutro dentro da sociedade. O Estado é parte integral do sistema social, está incluso na luta de classe e, por isso, já desde o século XIX os socialistas afirmam que “o crime do rico a lei encobre, o Estado esmaga o oprimido”.

Assista o trecho que relata detalhadamente tudo isso no canal do Causa Operária TV por meio do link:

O programa inteiro se encontra no seguinte link:

artigo Anterior

Pela imediata libertação de Rafael Braga

Próximo artigo

Uzwela, ao vivo, com Thiago dos Santos

Leia mais

Deixe uma resposta