Janaína Paschoal pede a Trump que faça o que Jean Wyllys quer para a Venezuela

Compartilhar:

A imprensa venal reproduziu em seus jornais impressos e pela internet do último dia 02/07, pedidos via tuítes da “musa” dos golpistas brasileiros, a advogada Janaína Paschoal, ao presidente norte-americano Donald Trump, para que Trump intervenha na Venezuela.

Rascunho automático 67

Seria mais um espetáculo grotesco da “macaca amestrada” dos golpistas, com todo respeito aos símeos, não fosse o fato de se inserir na ampla campanha a favor do golpe de Estado na Venezuela desencadeada pelo imperialismo, particularmente o norte-americano, e ressoada como um mantra pelos golpistas de todas as matizes nas colônias latino-americanas.

Narcotizada pelo ópio ensadecido da direita vendepátria, Paschoal advoga o “dever moral” dos EUA, para que intervenha na Venezuela e culpa o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma, como responsáveis pela “ditadura estabelecida” naquele país.

Aliás, qualificar como “ditadura”o regime político existente na Venezuela tem sido o carro chefe da campanha venal da imprensa golpista. Nesse aspecto, temos que admitir que para ao menos alguns setores da classe média, tem surtido efeito. E não é uma referência aos coxinhas batedores de panela, mas à esquerda pequeno-burguesa seguidora contumaz da política do imperialismo e, portanto, seguidora das opiniões da imprensa golpista tupiniquim.

Quando falamos de esquerda pequeno-burguesa, não nos reportamos ao PSTU, que defende a derrubada de Maduro, mas às declarções do Deputado Federal Jean Wyllys, que defendeu em sua página no Facebook, que a esquerda não deve apoiar Maduro e o qualifica, também, como “ditador”.

Que Jean Wyllys e a “musa” Janaína Paschoal defendem a mesma política para a Venezuela, não podemos ter dúvidas. O agora candidato a “muso”, na esquerda coxinha temos muitos, chega a ir além. Chama os golpistas instalados no Congresso de “oposição”, alardeia sobre a “repressão”, sobre os “assassinatos”, “torturados”, “censura à imprensa etc, etc… Ou seja, o golpe na Venezuela não é do imperialismo e da direita daquele país, mas de Maduro e do povo venezuelano contra a “democracia”! e pasmem, contra o imperialismo.

Mutatis mutandis, seria como se no Brasil o governo do PT tivesse mobilizado a população explorada para lutar contra o golpe e a direita fascista, mas tivesse que respeitar o voto dado no Congresso nacional pela canalha de deputados direitistas que depuseram a presidenta, para promover o maior ataque às condições de vida das massas da história do país. É por essa razão que Wyllys e o seu partido jamais defenderam de fato a luta contra o golpe no Brasil.

Em política, uma questão elementar é a de observar de que lado se posionam as classes sociais, em particular, os setores da burguesia de maior poder, no caso o imperialismo e os banqueiros. Pois essa regra elementar, nem de longe é uma preocupação da pequena burguesia esquerdista.

É por isso que a posição do “esquerdista” Wyllys é de fazer corar à golpista Paschoal. Para a musa é sempre bom ter um muso, é a sua cara metade, assim versam os contos de fadas holiwoodianos. No caso dos pobres mortais latino-americanos, a depender do que defendem “nossos musos”, tempos sombrios, muito sombrios nos aguardam.

artigo Anterior

Comitê contra prisão do Lula realiza atividades em Araraquara

Próximo artigo

Contrato intermitente, a escravidão ao gosto do patrão

Leia mais

Deixe uma resposta