PSTU/Conlutas assina lay off para 1.500 trabalhadores na GM

Compartilhar:

A montadora da GM (General Motors) de São José dos Campos, Vale do Paraíba/SP, acertou um acordo de layoff no mês de maio deste ano (17) com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, controlado pelos sindicalistas do PSTU/Conlutas.

No acordo assinado, a GM colocará 1.500 trabalhadores na “geladeira”, terão seus contratos de trabalho suspenso por cinco meses, do dia 05 de junho a 4 de novembro de 2017.

Nesse período os salários dos trabalhadores serão pagos uma parte pela GM, a outra pelo governo federal, através das verbas do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Para assinar um acordo que só retarda por cinco meses a demissão em massa de trabalhadores, os sindicalistas do PSTU/Conlutas alegam que não havia outra saída, caso contrário os trabalhadores seriam demitidos imediatamente.

No entanto, o acordo serviu para dividir os trabalhadores e esvaziar a revolta da categoria com as demissões, esfriando os ânimos dos operários que pretendiam ocupar a fábrica e exigir a manutenção de todos os empregos.

Tanto que já no início do mês de junho, a GM convocou 600 trabalhadores para fazer a homologação de demissão no Sesi de São José dos Campos, mostrando que os patrões não respeitam acordos e querem é demitir, por isso precisam desses acordos de rendição a fim de na sequência atacar as condições de vida dos trabalhadores, desmobilizados, desmoralizados, sem resistência.

Rascunho automático 67

Enquanto a GM demite em São José dos Campos, com a conivência dos sindicalistas do PSTU/Conlutas que apoiaram o golpe de Estado no país, a montadora transfere sua produção para outras cidades, com regalias fiscais e salários reduzidos.

artigo Anterior

Os contêineres nazistas de Doria

Próximo artigo

Resultado da privatização: Linha amarela do metro de São Paulo é a que têm mais falha nos últimos 5 anos

Leia mais

Deixe uma resposta