EUA querem a destruição da Odebrecht e da indústria nacional

Compartilhar:

Na segunda-feira (17), o EUA determinou a aplicação de uma multa de US$ 2,6 bilhões à empreiteira brasileira Odebrecht, através de uma sentença judicial.

Rascunho automático 67

A sentença de multa para uma empresa brasileira foi proferida pelo juiz Raymond J. Dearie, do tribunal federal no Brooklyn, nos Estados Unidos da América.

A justiça dos EUA, com o pretexto de que estão combatendo a corrupção, estabeleceu que a empreiteira brasileira Odebrecht seja obrigada a pagar US$ 2,4 bilhões (R$ 7,44 bilhões) para as autoridades do Brasil, US$ 116 milhões para a Suíça e os EUA ficarão com US$ 93 milhões, totalizando os US$ 2,6 bilhões em multa.

Se não bastasse a multa, a justiça dos EUA ainda determinou que a empresa brasileira ainda seja monitorada pelos americanos nos próximos anos, através de um monitor de compliance (que comprove que a empresa agirá em conformidade com leis e regulamentos externos e internos).

É a maior multa já aplicada a uma empresa pela justiça norte-americana, resultado da suposta luta contra a corrupção.

Além de ser uma intervenção na economia de outro país, os EUA em nenhum momento multa suas empresas que usam de corrupção para conseguir alcançar seus interesses, pois teriam que aplicar uma multa ainda maior, por exemplo, para a Chevron, empresa americana de petróleo, que no Brasil controla centenas de parlamentares, financiando suas campanhas a fim de conseguir que as riquezas advindas do petróleo nacional caiam em seu poder.

Essa sentença proferida pelos EUA, o país mais corrupto do mundo, pois corrompe governos inteiros para impor sua política imperialista, como foi o caso do golpe no Brasil, só demonstra que toda operação golpista da Lava Jato tem seu Comando Geral instalado nos EUA.

Confirma também, com evidências claras, que o Juiz Sérgio Moro e os promotores brasileiros que participam da farsa jurídica dessa operação, são funcionários dos Estados Unidos da América, e que sua ação tem como objetivo a destruição das empresas nacionais e a dilapidação do nosso patrimônio pelas grandes corporações do imperialismo mundial.

artigo Anterior

Desmonte da CEF caminha a passos largos e segue modelo dos Correios

Próximo artigo

Luta pela verdade ou luta pela liberdade de expressão

Leia mais

Deixe uma resposta