Golpistas não vão só cortar gastos, mas privatizar e taxar os trabalhadores

Compartilhar:

O governo golpista pretende taxar ainda mais a população para, supostamente, cobrir um “rombo” de R$ 58,2 bilhões, isso para cumprir a meta fiscal de 2017, que já é deficitária.  A Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), do Ministério da Fazenda, divulgou nesta quarta-feira (29) que não há como cumprir a meta fiscal de 2017 apenas com cortes de gastos, tem que taxar o trabalhador. O típico cinismo da direita golpista para atacar o povo.

A nota da Seae diz que meta fiscal, que o governo golpista comprometeu-se, é de um déficit de R$ 139 bilhões, porém, há um buraco no orçamento, os R$ 58,2 bilhões, que impossibilitam o cumprimento da meta já deficitária. A secretaria afirma que 90% das despesas primárias aprovadas para esse ano não podem ser reduzidas mais, ou seja, “Assim o cumprimento da meta de déficit primário de R$ 139 bilhões este ano exigirá medidas de aumento de receita”, segundo a nota.

Sobre uma aparência técnica os golpistas querem fazer os trabalhadores engolirem a seco mais taxação, além dos brutais cortes de gastos, privatização, terceirização etc., para esmagar ainda mais a população, sobretudo, a população pobre.

O governo ainda não esclareceu a forma em que vai achacar os trabalhadores com a demagogia de equilíbrio fiscal. O aumento de impostos é totalmente absurdo uma vez que os já precários serviços públicos e os bens públicos estão sendo totalmente sucateados e entregues aos capitalistas. Para que os trabalhadores pagarão mais impostos? Apenas para sustentar os capitalistas, os golpistas inimigos do povo.

Rascunho automático 67

O governo golpista quer entregar toda a riqueza nacional para o imperialismo e conjuntamente fazer com que os trabalhadores paguem pela sua desastrosa política econômica. Para derrotar está política é necessário derrotar o golpe.

artigo Anterior

30 de março de 1945 – Segunda Guerra Mundial: Soviéticos derrotam nazistas, ocupam Viena e liberam Danzig dos nazistas

Próximo artigo

Plano de saúde mata

Leia mais

Deixe uma resposta