Menos escolas e mais prisões: a formula fracassada da direita golpista

Compartilhar:

Não é “acidente” como diz o presidente golpista Michel Temer. De certa forma, tudo foi devidamente planejado.

Campanha Financeira 3

No Brasil se constrói mais presídios do que escolas,  de acordo com os dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que, entre 1994 e 2009, houve redução de 19,3% no número de escolas públicas do país. Em 1994, havia 200.549 instituições, contra 161.783 em 2009.Em contrapartida, no mesmo período, de acordo com dados do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), o número de presídios aumentou mais de 200%, chegando a 1.779 unidades. Essa “fórmula” em nada acidenta, se mantém até os dias de hoje e o número de presídios cresce de forma inversamente proporcional  e dez vezes mais rápido do que à redução do número de escolas.

De acordo com o Instituto avante o “boom ” prisional é devido ao abuso de prisões provisórias, onde o preso é esquecido pelo poder  público sem julgamento. O preso é  transformado em vítima dos abusos e das atrocidades promovidas pelo Estado através do encarceramento sem direito de defesa. Mais isso não reflete exatamente a realidade, uma vez que o número de “presos provisórios” não parou de crescer, são hoje mais de 250 mil, o que evidencia que o sistema carcerário deve ser duramente criticado e reformulado, com centenas de milhares de pessoas sendo colocadas imediatamente em liberdade, uma vez que suas prisões são um ato de arbitrariedade praticado contra a população pobre, principalmente.

A existência dessa multidão de presos, em sua imensa maioria negros (62%, segundo o estudo citado) e jovens (que não chegaram a concluir o ensino fundamental), evidencia que a existência de uma regime democrático de direito no País não é, nem de longe, realidade.

Os governos que mais constroem presídios, como o do PSDB, no Estado de São Paulo, são os que mais procuram reduzir gastos com Educação fechando escolas e milhares de salas de aulas.

Reduzem a possibilidade de estudo e aprendizagem dos jovens para jogar uma parcela destes nas mãos do tráfico, principal causa prisional (direta ou indiretamente, uma vez que milhares de furtos e assassinatos estão ligados ao tráfico) . Lá sofrem todo o  tipo de abuso e violência.

Um relatório de uma equipe de Direitos Humanos do Ministério da Justiça revelou aquilo que todos já sabem: que as prisões brasileiras são verdadeiros campos de concentração, um inferno na terra. Os relatórios foram produzidos, antes do governo golpista, pelo Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, órgão da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério da Justiça.

A direita golpista provou, até mesmo no terreno onde ela mesma acha que manda, sua completa incapacidade de resolver os problemas do povo. A política repressiva da direita é uma demagogia para agradar setores mais atrasados da população, mas que não tem nenhuma eficiência para resolver qualquer tipo de problema social.

Depois de toda essa operação criminosa, governantes golpistas encenam lamentações e dizem que se trata de “acidentes”. Mas foi tudo planejado por aqueles que querem impor  – cada vez mais – um regime de tortura e repressão sobre a maioria do povo, para servir aos interesses de um punhado de banqueiros e outros verdadeiros ladrões e assassinos do povo trabalhador.

artigo Anterior

Por que o movimento negro se preocupa mais com a “Globeleza” do que com os 100 mortos do sistema prisional?

Próximo artigo

Não ao golpe da Comissão de Conciliação Voluntária no Banco do Brasil

Leia mais

Deixe uma resposta