Eles não suportam “Aquarius”

Compartilhar:

joaoJoão André Silva

Há cerca de um mês o esperado aconteceu, mais um golpe contra o filme “Aquarius” de Kleber Mendonça Filho. No dia 12 de setembro, a comissão golpista escolhida a dedo pelo Ministério golpista da Cultura não indicou o filme estrelado por Sônia Braga a tentar uma vaga no Oscar de filme estrangeiro do próximo ano. Depois de muitos debates com a imprensa golpista defendendo o filme indicado, “Pequeno Segredo” e outros justificando a não indicação de “Aquarius” como uma consequência natural e nada política vai aqui a minha reflexão.

Para começar é preciso fazer uma recapitulação dos fatos envolvendo o filme polêmico. Em 17 de maio durante o Festival de Cinema de Cannes, equipe, diretor e atores protestaram denunciando o golpe no Brasil para milhares de jornalistas da imprensa internacional que cobriam o evento. A partir de então “Aquarius” foi perseguido insistentemente pelo governo golpista que não gostou nada do protesto. O Ministro golpista da Cultura, Marcelo Calero, declarou que o protesto manchava a imagem do Brasil no exterior, era “irresponsável”, “totalitário” e “infantil”. A imprensa golpista foi acionada para atacar o diretor e equipe com calúnias para desmerecer o protesto com acusações de que todos tinham ido para Cannes com dinheiro público fazer campanha petista. A revista Veja, por meio de Reinaldo Azevedo, e o jornal O Globo com direitistas e ex-esquerdistas lideraram os ataques ao filme.

Protesto em Cannes desencadeou perseguição política ao filme.
Protesto em Cannes desencadeou perseguição política ao filme.

Algumas semanas antes da estreia do filme no Brasil a perseguição continuou, o Ministério da Justiça censurou o filme para menores de 18 anos e depois de muito protesto voltou atrás classificando-o com 16 anos. O mais recente golpe à “Aquarius” foi impedi-lo de chegar ao Oscar. Foi montada uma comissão escolhida a dedo para evitar que o melhor filme entre os 17 concorrentes inscritos não conseguisse a vaga. A comissão era composta entre outros pelo jornalista global Marcos Petrucelli que em inúmeras oportunidades escreveu acintosamente contra o protesto da equipe de “Aquarius”, mesmo assumindo que não tinha assistido o filme. Kleber Mendonça em carta pública denunciou a idoneidade da comissão o que provocou o apoio de três cineastas que retiraram filmes da lista e o abandono da comissão por dois integrantes. Substituídos às pressas por Carla Camurati e Bruno Barreto.

Por fim a comissão golpista fez o seu trabalho, impediu “Aquarius” de chegar ao Oscar. Elegeram um filme pouco conhecido e expressivo, “Pequeno Segredo”, que retrata a vida de viagens pelo mundo da família de velejadores Schurmann, uma espécie de “família Amir Klink”, dirigido por um dos membros do clã, David Schurmann. Um detalhe importante é que o filme “escolhido” é o menos político entre os 17 filmes concorrentes. E obviamente o diretor não fez declarações públicas contra o governo Temer e o golpe no Brasil. Já Kleber Mendonça fez inúmeras crítica públicas contra o governo golpista de Temer e o Ministro da Cultura.

A perseguição a “Aquarius” veio coberta de desculpas, “Além dos critérios óbvios – técnicos e artísticos – existia também um pensamento de tentar escolher um filme que chegasse nos americanos e tivesse mais chance de agradar”, declarou Beto Rodrigues um dos 10 integrantes da comissão golpista. Mas

Temer golpista dá a benção a Marcelo Calero.
Calero recebe a benção do golpista.

o que determinou a escolha de “Pequeno Segredo” foram de fato os critérios políticos. Bastava ter como parâmetros a declaração do ministro Marcelo golpista Calero e ter na comissão um jornalista golpista assumidamente contra o filme de Mendonça para perceber isso. Sem falar no modo como a votação para eleger o filme representante do Brasil foi feita, com dois membros votando por email e quase nenhum debate.

Por onde passa “Aquarius” provoca protestos contra o governo golpista. Em sua exibição na abertura do Festival de Gramado foi saudado com “Fora Temer” pela plateia

Kleber Mendonça: perseguido por protestar.
Kleber Mendonça: perseguido por protestar.

. Nas salas de cinema por onde passa ao final das sessões o “Fora Temer” é ouvido em alto e bom som.

A indicação ao filme iria potencializar a bilheteria e consequentemente os protestos. Nas primeiras semanas de exibição em pouco mais de 100 salas “Aquarius” já atingiu mais de 300 mil espectadores e uma arrecadação de R$ 3,7 milhões.

O governo golpista tenta abafar “Aquarius”, mas o filme atinge cada vez mais espectadores e ganha o mundo. Já venceu os festivais de Amsterdã, e Austrália.

Participou do Festival de Toronto e este mês nos EUA foi exibido no Angelika Film Center, de Nova Iorque. E já estreou na Bélgica, Suíça e França e vendido ao todo para 60 países.

Cineastas também se posicionaram a respeito da escolha da comissão golpista. Anna Muylaert disse “O problema de dar um golpe é ter que dar mais infinitos golpes para manter o golpe principal” e ainda brincou, “Saiu a

Petrucelli, o assumidamente contrário a "Aquarius", compõe a comissão do Oscar.
Petrucelli, o assumidamente contrário a “Aquarius”, compõe a comissão do Oscar.

versão oficial: Aquarius foi preterido porque Sonia Braga deu pedaladas fiscais”.

O cineasta Aly Muritiba, um dos que retirou seu filme “Para Minha Amada Morta” da disputa também comentou. .”Uma das piadas da qual não participei. Nunca reconheci esta comissão: o golpe estava anunciado há tempos. E o Bruno Barreto [presidente da comissão] ainda ousou dizer que retiramos nossos filmes por medo do “Aquarius”…chupa Bruno Barreto! Medo de quê????”.

Kleber Mendonça Filho também comentou com lucidez, “É bem possível que a decisão da comissão esteja em total sintonia com a realidade política do Brasil”.

Fica a expectativa de saber qual o próximo golpe a ser dado. A proibição de protestar nas salas de cinema?

Cartaz de protesto de "Pequeno Segredo" ou "Pequeno Golpe".
Cartaz de protesto de “Pequeno Segredo” ou “Pequeno Golpe”.

“Aquarius” tinha todos os pré-requisitos para concorrer à vaga no Oscar, filme concorrente em Cannes, elogiado enormemente pela crítica e sucesso de público dentro e fora do Brasil e com uma atriz brasileira conhecida internacionalmente que já foi indicada ao Oscar. Mas o que de fato pesou foi a denúncia do golpe feita em Cannes e a adesão do público ao filme como símbolo de resistência ao golpe de estado no Brasil.

Aos ingênuos e dissimulados que falam ser um exagero dizer que um governo que dá um golpe de estado não se preocuparia com um “filminho” concorrendo ao maior festival de cinema do mundo e que teria a sua disposição para denunciar o golpe no Brasil uma audiência de mais de um bilhão de espectadores fica aqui uma lembrança: Em 2003 o cineasta Michael Moore, subiu ao palco do Oscar para receber o prêmio por seu documentário “Tiros em Columbine” e denunciou a invasão dos EUA comandado pelo governo Bush no Iraque, dizendo:

Vivemos em uma época na qual eleições fictícias elegem presidentes fictícios. Vivemos em uma época que um homem pode nos enviar a uma guerra por razões fictícias. Somos contra essa guerra, Sr. Bush. Vergonhoso, Sr. Bush, vergonhoso

Rascunho automático 67

Será que Temer (o presidente fictício) e os golpistas gostariam de dar a chance de Mendonça e equipe fazer o mesmo no Oscar 2017?

Em 2003 protesto de Michael Moore. Em 2017 "Fora Temer" para 1 bilhão de pessoas em todo o mundo?
Em 2003 protesto de Michael Moore. Em 2017 “Fora Temer” para 1 bilhão de pessoas em todo o mundo?
artigo Anterior

Análise Política da Semana, ouça e baixe o áudio

Próximo artigo

Análise Política da Semana: a prisão de Lula é a perseguição contra toda a esquerda

Leia mais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: