Miscigenação e genocídio

Compartilhar:

No último dia 20 de novembro, Dia de Luta do Povo Negro, a marcha tradicional do movimento negro se deu na avenida Paulista, em São Paulo. Várias faixas foram levantadas contra o massacre do povo negro, contra o racismo do regime capitalista, contra a opressão do povo negro em geral, mas uma faixa levantou polêmica. É uma faixa que dizia: “miscigenação também é genocídio”.

A direita prontamente atacou essa palavra de ordem, dizendo que se trata de racismo inverso e o movimento negro estava utilizando a “ciência” racista do século anterior, que dizia haver diferença entre as raças negra e branca. É um cinismo da direita, que se esforçou em perseguir, torturar, prender e assassinar os negros ao longo dos tempos, e ainda mais agora, em tempo de golpe de Estado. Assim, se existe alguém contra a miscigenação, esse alguém é a direita, a burguesia branca.

Do ponto de vista da esquerda é preciso destacar dois problemas. O primeiro é que o movimento negro tem o direito de reivindicar qualquer coisa, especialmente diante de séculos de opressão. Houve tempos em que o movimento negro reivindicava que o negro deveria voltar para a África (Marcus Garvey), ou que deveria organizar estados nacionais compostos apenas por negros, etc. O próprio Garvey afirmava que o branco era a representação do demônio na terra.

A crítica que se coloca é que no Brasil a miscigenação é uma realidade posta, já foi feita e está sendo feita. E o problema, finalmente, não é se o negro se une ao branco para clarear sua pele (o que é o resultado da situação objetiva do negro na sociedade), mas o peso social e político do negro dentro da sociedade. Enquanto o negro não impor pela força sua vontade e suas reivindicações, as relações sociais, quaisquer que sejam elas, tendem a deixar o negro na sola da sociedade.

O problema, assim, não tem a ver com a miscigenação em si, mas com a força e organização do negro dentro da sociedade. Tem a ver, em último caso, com a luta pela tomada do poder político, medida capaz de elevar o negro a um patamar superior dentro do regime. E é justamente essa discussão que não está sendo feita. A discussão sobre a organização independente do negro, dos trabalhadores, pela tomada do poder político do regime. É esse problema que precisa ser debatido e colocado em prática às últimas consequências, e que tem como primeiro passo a luta contra o golpe de Estado, dado justamente pela direita racista.

artigo Anterior

Temer cortou 500 mil famílias do Bolsa Família

Próximo artigo

Lava Jato investiga filme sobre Lula

Leia mais

Deixe uma resposta