Terceirizada no Banco do Brasil suspende pagamento do vale refeição

Compartilhar:
Terceirizada no Banco do Brasil suspende pagamento do vale refeição dos seus trabalhadores

A Brasfort, empresa que presta serviços terceirizados de segurança e logística para o Banco do Brasil, dentre outras empresas em Brasília, suspendeu, a partir deste dia 01 de janeiro, o pagamento do vale refeição de seus funcionários alegando ser uma exigência da “nova” lei trabalhista.

A notícia, que foi repassada para os funcionáiros via whatsap, anuncia que todos os benefícios garantidos em Convenção Coletiva de Trabalho estão suspensos a partir de 01/01/2018. A Brasfort se ampara no recebimento de um Ofício Circular CMLOG.SCTER nº 4/2017 de 21/12/2017 do Tribunal Superior do Trabalho (TST),”que informou descontos nas faturas de serviços das empresas, de pagamentos realizados após 11/11/2017, sem amparo em Convenção Coletiva de Trabalho.”

A categoria de trabalhadores de empresas terceirizadas estão em data base. Os patrões, o grupo Brasfort pertence a família do deputado distrtital golpista Roberio Negreiros (PSDB), com o TST que tem a frente na sua presidência um direitista declarado, membro da organização direitista ligada a igreja católica, Opus Dei, e golpista, Ives Gandra Martins Filho, que foi o maior defensor no judiciário da “reforma” trabalhista, estão colocando a “reforma” em prática.

A atitude da empresa visa única e exclusivamente tentar obrigar o trabalhador a aceitar qualquer migalha que caia da mesa do patrão para a categoria em plena data base. Se utilizam do entendimento do golpista TST de que após o fim da data base, por “exigência” do tribunal, os patrões estão obrigados a deixarem de pagar os benefícios para os trabalhadores até que seja assinado um novo acordo.

O caso da Brasfort é mais uma evidência o porquê do golpe de Estado apoiado pelos grandes capitalistas que destituiu uma presidenta legitimamente eleita com mais de 54,5 milhões de votos. Expropriar ainda mais a classe trabalhadora para manter os parasitas capitalistas que vivem a custa do suor do povo trabalhador.

A categoria não deve aceitar mais esse ataque feito pelos golpista e organizar uma ampla mobilização para que mantenham os seus direitos e, nessa data-base, ampliar as conquistas da categoria. Além disso é necessário chamar as organizações dos trabalhadores para se somarem à luta contra o golpe pela anulação da fraude do impeachment comprado e pela anulação de todas as medidas dos golpistas.

artigo Anterior

Trump continua na mira do impeachment

Próximo artigo

“O Regime político foi destruído pelo golpe.” Rui Costa Pimenta na Análise política da semana

Leia mais

Deixe uma resposta