Radio Causa Operária : PCdoB, Boulos, Ciro e as diversas armadilhas da burguesia contra Lula

Compartilhar:
Radio Causa Operária : PCdoB, Boulos, Ciro e as diversas armadilhas da burguesia contra Lula

Durante a Análise Política da Semana, o companheiro Rui Costa Pimenta abordou o tema das eleições e as ilusões da esquerda pequeno-burguesa com o processo eleitoral. Ouça na Rádio Causa Operária.

“Nós temos aí este problema das ilusões, com a condenação do Lula começa a se abrir um outro leque de ilusões que seria bom a gente contestar aqui, por que, isso daqui é outra armadilha, eu li uma matéria esta semana de um cidadão  ligado ao PT ou ao Psol, que dizia o seguinte que,  não tem importância  se o lula for condenado, qualquer candidato de esquerda que concorrer  vai ser eleito, aí eu olhei e falei nossa, uma coisa a gente deve reconhecer  não falta imaginação para as pessoas que escrevem na maioria dos órgão de imprensa, então ele dizia o seguinte, basta que a pessoa levante a palavra de ordem de referendo revogatório da medidas adotadas pelos golpistas que ele é eleito, isso dai, esse tipo de raciocínio e de fantasia política totalmente absurdo, primeiramente o Lula é uma ameaça porque ele é uma pessoa que ele vai la numa cidade do interior do nordeste e junta uma multidão, o cidadão não conhece nada da política nacional, ele não sabe qual é o partido A, o partido B, o partido C, mas o Lula ele sabe quem é, quer dizer ele é uma figura nacional, na população pobre, ele é digamos assim o homem da população pobre, o representante dos pobres, ele não é um candidato qualquer, ele não é uma ameaça porque ele levantou o referendo não sei das quentes, ele é uma ameaça porque ele é uma pessoa com uma grande penetração nas camadas populares, e na hora da eleição o pobre vai olhar falar assim, “eu posso votar aqui no latifundiário da região, no empresário, no candidato burguês, e posso votar no Lula que é o representante do pobre”, vota no Lula, isso apesar de toda a pressão que vai sofrer para não votar no Lula, porque na época da eleição falar que o Lula é pedófilo, que ele recebeu dinheiro da Al Qaeda, que ele participou do atentado de 11 de setembro, vão falar o diabo dele, que ele tem uma agência de prostitutas em São Paulo, trafica drogas, e assim por diante.

Quem já viu este tipo de eleição sabe como é. Não vai ser brincadeira, então uma coisa que a gente deve dizer é o seguinte: nenhum outro candidato de esquerda chega nem próximo desse fenômeno do Lula, se nós estamos falando em eleições, em ganhar eleições, a única pessoa que poderia ganhar a eleição, e não é certeza, é o Lula, não tem outro candidato que poderia ganhar a eleição, isso teria que ser encarado de maneira muito objetiva pelo pessoal, fala que qualquer candidato de oposição de esquerda que se colocasse contra o que os golpistas fizeram vai ter milhões de votos, não é verdade, porque a eleição é dominada pela imprensa para você passar pela barreira da imprensa, dos cabos eleitorais, do dinheiro, dos juízes etc e tal é muito complicado, você precisa ter um poder de fogo muito  grande e a única pessoa na esquerda que tem este poder de fogo que poderia permitir, não é certeza, que poderia permitir que ele ultrapasse todas estas barreiras é o Lula e mais nenhum outro. Tem gente que fala assim :”não o Boulos é um candidato popular, Boulos, ninguém conhece o Boulos, é conhecido aqui em São Paulo no meio da classe média, no Rio de Janeiro. Ele não é nenhum Lula nem nada parecido com isso, é pura ilusão que inclusive, a burguesia dá corda nessa ilusão, essa semana aqui saiu ai, a Folha de São Paulo deu algum destaque ao programa do Vamos que teria sede que seria uma colcha de retalho de sugestões de mil e tantas pessoas que participaram da enquete famosa que eles fizeram então aí aparece “não nos precisamos de um candidato que tem um programa de esquerda” isso dai não..,  primeiro porque ele não tem a menor possibilidade eleitoral segundo porque o programa como a gente já viu no caso dessa esquerda ele não tem nenhuma solidez é um pedaço de papel, por exemplo a população elegeu o Syrisa que é um partido deste tipo na Grécia a hora que o Syrisa assumiu o governo no meio de uma crise total dos partidos tradicionais foi lá e levou adiante a política dos partidos tradicionais, porque o programa do Syrisa pela natureza do partido é só um papel escrito, é só um papel escrito, qualquer um pode escrever qualquer coisa num papel, papel não grita, papel não sofre, você pode escrever à vontade, o programa do Boulos é isso dai, não vale nada neste sentido se ele ta a esquerda do programa do Lula imagino que esteja não vi todos os detalhes ele não é nada, Já o Lula para ele ser eleito e se for eleito ele vai ter que fazer determinadas coisas com relação a sua base social não que ele vai mudar o país com essas mudanças, que a gente já viu quatro governos do PT e o país não mudou em nada mas ele vai criar uma situação de luta política  de desenvolvimento da consciência popular e distrital real, que os outros candidatos não vão realizar, bom isso para falar do Psol, não vamos falar nem do Ciro Gomes, que agente viu que ta totalmente a favor do golpe e nem da Manuela D’Ávila que cujo programa é muito mais direitista do que o normal quer dizer, se já é direitista na campanha eleitoral imagine a hora que chegar lá.

O PCdoB, que é um partido muito direitista, muito vinculado a setores da burguesia, vinculado no sentido que ele é subordinado, ele é mais subordinado a burguesia do que o PT, o PT apesar de ser subordinado a burguesia tem um certo poder de barganha com a burguesia em função dos seus Próprios interesses, PCdoB não,  então que dizer este negócio de qualquer candidato é falso, na realidade o que acontece aqui é o seguinte é o pessoal que não haja eleições é possível existe a possibilidade concreta de que haja um golpe militar é possível que sejam feitos todos os esforços para fraudar a eleição seja efetivamente fraudada como aconteceu em Honduras agora, como aconteceu no México antes como antes, como já aconteceu e vários lugares, a burguesia tem o poder de arregimentar forças diversas para montar um cenário eleitoral onde o candidato de oposição neste caso Lula não consiga se desenvolver o voto se dispersa etc e tal, quer dizer, uma eleição a possibilidade de eleição em si é uma guerra, onde a própria vitória do Lula é muito incerta ao contrário do que os dirigentes do PT falam, quer dizer uma coisa é você ter apoio

popular outra coisa é você conseguir transformar isso em votos e numa vitória eleitoral que seja aceita pela burguesia, porque essa burguesia se tiver decidido a não aceitar a vitória eleitoral ela vai dar um jeito de que você não seja eleito os mecanismos que foram colocados em funcionamento contra o Lula eles já são gigantescos, o Lula ele é uma pessoa que tem um poder eleitoral muito grande, se for outro candidato da esquerda aí é só  pra dar a impressão de que a eleição é democrática, essa que é a realidade então a ideia de que qualquer candidato, ou mesmo a ideia de que o Lula que elegeu a Dilma que a imprensa falava que era um poste etc e tal consiga fazer isso ai de novo também é complicado, é possível, é possível o Lula eleger um outro candidato que não seja ele? É possível mas é bem mais difícil do que ele eleger a si mesmo, porque você põe o candidato la e o candidato não é o Lula, a população, o voto popular que iria para o lula pode se dividir, em outras candidaturas, tudo, o Lula escolhe aí vamos supor um candidato de classe média que nem  o Fernando Haddad ou outro já não é um candidato popular e tudo mais quando o Lula elegeu a Dilma duas vezes a situação era bem mais estável, a situação econômica, pelo menos na primeira eleição  era uma situação econômica bem favorável, agora nós estamos no meio de uma crise, tem um golpe, tem um monte de mecanismos que estão sendo colocado para ele não conseguir eleger ninguém, então tudo isso daí precisa ser olhado com bastante cuidado.”

artigo Anterior

Blog da Globo intimida desembargador do TRF4 para condenar Lula

Próximo artigo

Demissões: um tormento nos bancos privados

Leia mais

Deixe uma resposta