Cursinho para o golpe: militares “nacionalistas” são treinados pelo exército dos EUA

Compartilhar:
Cursinho para o golpe: militares "nacionalistas" são treinados pelo exército dos EUA

Evidenciando a subserviência, cada vez maior, das Forças Armadas brasileiras ao imperialismo norte-americano, depois do golpe de Estado que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, com o apoio dos militares, bem como o aprofundamento dos planos dos chefes militares de aplicarem um golpe dentro do golpe, com uma intervenção militar diante do fracasso do governo Temer, oficiais do Centro de Estudos Estratégicos do Exército Brasileiro (CEEEx) e do Strategic Studies Institute (SSI/USWAC), do Exército dos EUA, estiveram reunidos em Brasília, entre os dias 12 e 14 de dezembro passados, conforme informaram sites das áreas de segurança e apologistas do golpe militar.

Os chefes do Exército brasileiro, onde se concentra a defesa cada vez maior do golpe militar, abriram as portas do  Quartel-General do Exército, o Forte Caxias, para supostamente realizar “apresentações e debates sobre a conjuntura internacional, com foco na América Latina“, segundo divulgado por eles, “com o objetivo de propor e discutir temas de interesse comum aos exércitos desses países, além de estabelecer uma aproximação e enlace entre as duas estruturas”.

Ironicamente, apesar de se reunir com representantes da maior potência militar e maior organizador de golpe de Estados do mundo, os militares brasileiros procuraram disfarçar a submissão anunciando, infantilmente, que a atividade foi  “conduzida pelo CEEx”, como se os “aprendizes de feiticeiros” fossem conduzir os “bruxos”.

Um importante oficial, o general de Brigada, Luiz Eduardo Rocha Paiva, destacou que “a aproximação do pensamento estratégico entre as Forças Armadas das duas nações é antiga e deve ser aprimorada”, evidenciando as relações próximas dos brasileiros com uma das maiores organizações criminosas do mundo, responsáveis pelos maiores crimes contra a humanidade, milhares de mortos, invasões de outros países, massacres, golpes de estados etc. tudo para favorecer os interesses dos grandes monopólios norte-americanos.

Evidenciando que não se trata apenas de uma atividade isolada,o coronel Valério Luiz Lange, Chefe do CEEx, explicou que a atividade “integrou o rol de ações previstas pelas Comissões Bilaterais de Estado-Maior (CBEM) para o período entre 2016 e 2021”, cujas atividades “incluem seminários e exercícios militares conjuntos no Brasil e Estados Unidos”.

O golpe liberou e está aprofundando as tendências entreguistas e pro-imperialistas de todas as alas mais direitistas da burguesia “nacional”, destacadamente, entre a cúpula das Forças Armadas; esses pseudo nacionalistas, “defensores da pátria”, mostram não só que não são capazes de esboçar qualquer reação à entrega do petróleo, da Amazônia e de todas as riquezas nacionais acelerada pelo governo golpista de Temer e Cia. como são verdadeiros guardiões dos interesses imperialistas e, por isso, estão ameaçando com um novo golpe, um golpe militar, o povo brasileiro, que dá cada vez mais mostras de revolta e disposição de reagir contra o regime golpista que os militares ajudaram a  impor, com ameaças contra o “caos”, ou seja, esses “valentões” estão sendo “treinados” pelos gorilas golpistas norte-americanos para combater uma possível reação do povo brasileiro ao golpe e às suas “reformas”.

artigo Anterior

Militares anunciam: Forças Armadas estão prontas para intervir nas cidades

Próximo artigo

Sindicato dos Bancários de Brasília marca manifestações por uma Caixa 100% pública

Leia mais

Deixe uma resposta