A política neoliberal deixou seu gás mais caro

Compartilhar:

Dia 5 a Petrobrás anunciou mais um aumento do gás de cozinha, dessa vez de 8,9%. Foi o sexto aumento consecutivo, e em algumas cidades do Brasil um botijão de 13Kg já custa mais de R$ 120. Na semana que fechou dia 2 de dezembro, o preço médio chegou a R$ 65,64. Em janeiro custava R$ 55,74. O aumento acumulado no ano é de 17,7%.

Enquanto a imprensa alardeia que a inflação teria diminuído, o gás usado em praticamente todos os lares para cozinhar aumentou de forma vertiginosa. O impacto maior é no orçamento das famílias mais pobres, para as quais o gás compromete uma fatia maior da renda.

Depois do golpe da direita que derrubou a presidenta Dilma Rousseff em 2016 por meio de um impeachment comprado e fraudulento, a vida piorou muito. Caso o golpe não seja derrotado, a perspectiva é de piorar muito mais. O presidente golpista Michel Temer está tentando roubar a aposentadoria dos trabalhadores com a “reforma” da Previdência, como fez com os direitos trabalhistas usurpados em outra das chamadas “reformas”. Além disso, gastos em áreas com Saúde e Educação estão congelados por 20 anos, graças à PEC 55/241 aprovada por um Congresso dominado pela direita inimiga do povo.

No caso do roubo das aposentadorias e dos direitos trabalhistas, e do teto de gastos com serviços públicos, as mudanças vão começar a ser sentidas gradualmente. Já o aumento do preço do gás está desde já penalizando de forma dramática os trabalhadores. Uma reportagem da Folha de S. Paulo publicada no dia 8, assinada por Joana Cunha, sob o título “Desempregada usa galhos em fogão a lenha improvisado”, mostra o caso de moradores da periferia de São Paulo que foram obrigados a improvisar fogões a lenha por não terem condições de comprar gás depois dos sucessivos aumentos. O governo golpista e reacionário leva a população ao atraso.

O aumento do gás, especialmente desde junho, está muito longe de ser acidental. Como já tinha feito antes com a gasolina e o diesel, o governo mudou a política de preços da Petrobrás. Durante os governos petistas esses produtos eram subsidiados, possibilitando que os pobres pudessem comprá-los e estimulando o consumo. Agora, por decisão do governo, o preço é definido de acordo com a cotação do propano e bupano em um índice do mercado europeu. Ou seja, o governo escolheu aumentar o gás cortando subsídios e estabelecendo o preço de acordo com a especulação financeira.

Portanto, piorar a vida do conjunto da população aumentando o preço do gás foi uma escolha política do governo. Essa decisão política corresponde a um programa político determinado, que também orientou o teto dos gastos públicos e orienta as reformas que foram aprovadas e que o governo ainda tenta aprovar, além da liquidação do patrimônio nacional. Esse programa é o programa neoliberal.

A política neoliberal deixou seu gás mais caroA direita prega menor “intervenção do Estado” na economia. É disso que se trata. Deixar o povo sem gás enquanto o preço é determinado “livremente” por parasitas do “mercado”. Deixar o trabalhador sem direitos para que isso não “interfira” no “livre” funcionamento do capitalismo. Destruir os serviços públicos e vender o patrimônio nacional a troco de migalhas para diminuir o Estado. Esse é o programa da direita e do imperialismo, para o Brasil e para o conjunto dos países atrasados.

Esse programa entra em choque com os interesses da esmagadora maioria da população. À medida em que as pessoas forem percebendo o que foi o golpe que derrubou o PT, em proveito dos capitalistas e em detrimento dos trabalhadores, a tendência é de um embate contra o governo golpista. Essa tendência já se expressa na popularidade da candidatura de Lula à presidência em 2018, que representa uma rejeição à política golpista.

É por isso que a direita, em defesa do programa neoliberal e contra as massas, ver-se-á diante da necessidade de fraudar ou simplesmente cancelar as eleições. E para esmagar a resistência dos trabalhadores contra o neoliberalismo, o regime terá que se tornar cada vez mais autoritário e repressivo, mais ditatorial. A luta contra o golpe é a luta para evitar esse desfecho para a crise política do país.

artigo Anterior

Ela foi processada por chamar Frota de estuprador, e fala sobre isso no próximo TV Mulheres, domingo, às 19h

Próximo artigo

Lido nas redes

Leia mais

Deixe uma resposta