PCO e Comitê Contra o Golpe organizam debate na Universidade Federal do Goiás

Compartilhar:
PCO e Comitê Contra o Golpe organizam debate na Universidade Federal do Goiás

Na última quarta-feira (13) o Partido da Causa Operária e o Comitê Contra o Golpe de Brasília realizaram um debate no campus da UFG em Jataí GO pela anulação do impeachment.

Como parte das atividades da luta contra o golpe o Partido da Causa Operária organizou, nesta quarta-feira (13) no Campus Jataí GO da Universidade Federal do Goiás, uma palestra debate que teve como tema principal o processo do impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Tendo como mediador Rafael Bezerra, estudante de direito daquele campus e também membro do PCO, o debate contou com a participação do Professor e Doutor em Direito da UFG, Diego Diehl e Expedito Mendonça, Membro da Direção Reginal do PCO em Brasília e Diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Federal, como debatedores.

O Prof. Diehl abriu o debate com uma análise da situção da política nacional desde o golpde militar de 64, o ascenso do movimento operário no final da década de 1970 que foi um fator preponderante na derrubada de ditadura, passando pelo processo de “redemocratização” com a Constituinte de 1988, a crise do neoliberalismo no governo de FHC (PSDB), a eleição do governo do PT, o processo do mensalão no governo do ex-presidente Lula da Silva, até chegar do atual momento que desembocou em um processo farsa no Congresso Nacional do impeachment, de um governo eleito democraticamente com mais de 54,5 milhões de votos. Para Diehl todo esses processos visam inviabilizar um governo, que mesmo com as suas limitação, vinha executando uma política com viés social através de, por exemplo: programas Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, cota de negros nas universidades, etc. características do governo do PT.

Expedito Mendonça, membro do PCO, na sua falação, dentre outras caracterizações, expôs que a situação política está marcada pelo processo de golpe de Estado em que passa o País que a ala direita do regime, a burguesia mais estreitamente vinculada ao imperialismo e o próprio imperialismo colocaram em marcha tal processo, fato que fica caracterizado pelo ataque de conjunto lançado pelos grandes capitalistas e pelo imperialismo contra o governo de Dilma Rousseff do PT. Que é uma campanha tipicamente golpista que tem no centro o velho refrão da direita golpista financiada pelo imperialismo de antes de 1964 – a “luta contra a corrupção” – e que coloca notórios corruptos como defensores da moral pública contra um governo “corrupto”. Mendonça caracterizou, em relação à conjuntura internacional, a decomposição dos regimes “democráticos”. A polarização política expressa a decomposição dos regimes ditos democráticos dos principais países imperialistas, a Inglaterra, França, EUA e Japão, Alemanha e Itália.  A tendênciaa presente na situação atual nesses países é o deslocamento do imperialismo à direita e a retomada de uma política mais agressiva do que já vem sendo aplicada pelos governos do partido Democrata nas EUA, Conservadores na Inglaterra, os Socialistas na França e o Partido Liberal Democrata no Japão. Isto implica em um maior enfrentamento do imperialismo com os países atrasados e com os trabalhadores, inclusive, dos países desenvolvidos, como os próprios EUA. Nos países atrasados essa política fica clara com as políticas de golpes em vários Países tais como Honduras, Paraguai, Argentina, Egito, Ucrânia, tentativa de golpe na Venezuela, Bolívia, Turquia, etc. e no Brasil é claro, declarou Expedito.

A atividade realizada na UFG tem como objetivo esclarecer os estudantes, trabalhadores e a população em geral e alertar quanto a política de aprofundamento do golpe através dos ataques aos direitos e conquistas alcançado durantes os últimos 100 anos de lutas da classe trabalhadora.

A campanha contra o golpe é parte das atividades desenvolvida pelo PCO e dos Comitês de Luta Contra o Golpe reforçando cada vez mais o compromisso que visa colocar nas ruas a luta contra o golpismo da direita pró-imperialista. Para isso é necessário criar em todos os locais possíveis Comitês de Luta para barrar a ofensiva direitista, anular o impeachment e todas as medidas resultado do golpe.

artigo Anterior

“Gestão” Doria é acusada de desvia verbas até do leite das crianças

Próximo artigo

Colunista ao Vivo: a situação em Honduras e na Venezuela relacionada com o Brasil

Leia mais

Deixe uma resposta