Na UFPE estudantes são suspensos por lutar: é necessário se mobilizar contra o fascismo e a repressão

Compartilhar:
Em Pernambuco, estudantes são suspensos por lutar: é necessário se mobilizar contra o fascismo e a repressão na UFPE

No dia 1 de novembro, cinco estudantes que participaram da ocupação no Centro de Artes e Comunicação (CAC) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) foram suspensos pelo Conselho de Administração da instituição. De acordo com o processo, os estudantes seriam responsáveis por roubos e depredações que teriam acontecido durante a ocupação.

A UFPE, no entanto, não apresentou quaisquer provas das acusações. Assim, o Conselho de Administração recorreu à arbitrariedade mais absurda da direita brasileira, representada por Deltan Dallagnol, que baseia suas decisões não em provas, mas em suas “convicções”.

Além do problema da suspensão sem prova, é inegável que o ato do Conselho de Administração é uma resposta política a uma atividade política. O fato de estudantes serem punidos pelos seus atos em uma ocupação contra o governo golpista é, sem dúvida, uma forma de reprimir o autêntico movimento estudantil.

A suspensão é ainda mais grave e arbitrária porque o Conselho de Administração da UFPE anunciou que não permitirá qualquer recurso. Ou seja, os alunos não terão nenhum direito de defesa perante a decisão do conselho. Diante de mais esse caso de aprofundamento da repressão nas instituições, torna-se ainda mais importante a plenária contra o fascismo e a repressão na UFPE, que está sendo organizada pelo Comitê de Luta Contra o Golpe da UFPE e ocorrerá no dia 6 de novembro, a partir das 15h.

Atualmente, essa plenária é o único evento capaz de reunificar os estudantes em torno da luta contra a direita golpista. Por isso, é fundamental que todos os estudantes, professores e servidores que queiram ter sua liberdade de manifestação garantida participem da plenária e se envolvam na mobilização da comunidade acadêmica contra a direita golpista e fascista.

artigo Anterior

A farsa da recuperação da indústria: destruição do polo metalúrgico brasileiro

Próximo artigo

Música experimental foi o tema no último Uzwela

Leia mais

Deixe uma resposta